MOZART IN THE JUNGLE: A MÚSICA COMO ESTILO DE VIDA

by - setembro 02, 2018


 
Esses dias eu descobri um seriado, mas ele não é só um seriado, pelo menos não está sendo para mim, mas antes de falar dele, preciso contar umas coisas. Eu amo música. Amo mesmo. Eu canto, sei o mínimo básico de violão e hoje toco teclado na igreja (nada de música sacra, a gente curte um sonzinho mais pesado). Eu comecei a estudar com 8 anos, passei pelo coral da escola, já fiz aula de canto, e teve uma época em que eu parei. Simplesmente parei, não fazia mais nada, mas de certa forma, ela sempre esteve lá, porque ela faz parte mim, mesmo eu a rejeitando de vez em quando. Mas essa relação com a música, não me faz, nem de longe, uma boa musicista, afinal, eu nunca tive a garra de treinar horas a fio para ser ótima, eu só queria ser, entende? Graças a Deus eu tive a chance de conhecer alguns músicos no meio de caminho, e sempre admirei o fato de eles terem encontrado uma maneira de viver a música.

Mozart in the Jungle, conta a história de uma orquestra, mais especificamente, dos seus músicos e maestros. E ele vai explorar não só a relação deles com a música, mas de como é a vida deles no geral, sobre como é dedicar a sua vida para essa arte. Então aqui temos músicos novos, músicos experientes, temos a questão de como funcionam as relações trabalhista, as relações pessoais entre eles e entre as pessoas que não tem vivência. Tudo começa quando há uma troca de maestro na orquestra, e o novo maestro tenta fazer aqueles músicos redescobrirem o seu amor pela música.

O velho e o novo

Os maestros Tomaz e Rodrigo

Eu gosto muito da relação que eles estabelecem entre o velho e o novo. Primeiro eles abordam a troca de um maestro mais experiente por um mais novo, e mostram a diferença entre as abordagens. Depois tem a relação entre duas musicistas que tocam o mesmo instrumentos, e em certos momentos elas tem que lidar com a questão da experiência, sobre uma estar começando na carreira e a outra já estar a anos na orquestra. Também depois eles acabam discutindo um pouco sobre a modernização dos clássicos, misturando com instrumentos não convencionais, música eletrônica, e novas maneiras de apresentação.
O meu encantamento aqui acontece muito por causa da surpresa, e de ver aquela orquestra em situações não convencionais. E poder ver o novo aprendendo com a experiência e mostrando que ele também pode ensinar algo. É toda a questão da descoberta.

Viver sua paixão

"You have to be willing to be bad at it in order to get good at it" - Mary Going

Esse seriado tem despertado em mim essa questão de viver a nossa paixão, talvez não fazendo disso o meu trabalho, mas tendo certeza da importância que é dedicar meu tempo para me aprimorar nas coisas que eu gosto. Eles foram bem felizes em dar ênfase a paixão que os músicos tem de fazer o que fazem, cada temporada tem pelo menos um episódio que me fez querer chorar, por entender o impacto da música na vida das pessoas, e poder relembrar a importância que ela tem para mim.

O seriado está disponível no Amazon Prime, cada episódio tem 30 min, então é rapidinho de assistir. Ele só tem 4 temporadas, diálogos bem bons, e música, muita música!


You May Also Like

0 comentários